Comparar taxas prefixadas com a SELIC: um erro comum

06

Muitos investidores no Tesouro Direto, ao avaliarem os títulos prefixados, cometem um erro básico: comparam a taxa paga pelo título com a taxa SELIC daquele momento, e decidem pelo investimento se a taxa prefixada é maior que a SELIC. Por exemplo, neste momento, um título de longo prazo (por exemplo, com vencimento em 2021) está pagando por volta de 11,05% ao ano. Contra uma SELIC de 9,75%, temos um prêmio de aproximadamente 1,3% ao ano sobre a SELIC. Uma taxa bastante interessante!

Mas o raciocínio correto não é esse. O que importa, na realidade, é se a SELIC acumulada da data da compra do título até o seu vencimento será maior ou menor do que a taxa prefixada. É isto, na verdade, que define ou não o ganho com aquele título. Vejamos alguns exemplos.

No dia 31/08/2005, a taxa SELIC era de 19,75%. Um título com vencimento em 04/01/2010 estava pagando, na época, 16,72% ao ano. Aparentemente, um mau negócio. No entanto, a SELIC acumulada entre estas duas datas foi de apenas 12,82% ao ano. Ou seja, quem comprou aquele título, ganhou 3,9% ao ano além da SELIC!

Outro exemplo: no dia 30/12/2008, a SELIC estava em 13,75%. Um título com vencimento em 02/01/2012 estava pagando 12,34% ao ano. No entanto, a SELIC acumulada entre estas duas datas foi de 10,47% ao ano. Quem comprou aquele título, ganhou um prêmio de 1,87% ao ano sobre a SELIC.

Agora vejamos o exemplo inverso. No dia 30/07/2009, a SELIC estava em 8,75%. Um título com vencimento em 02/01/2012 estava pagando 11,01% ao ano. Portanto, quem comprou este título, talvez estivesse esperando ganhar 2,26% ao ano sobre a SELIC. No entanto, a SELIC acumulada entre estas duas datas foi de 10,34% ao ano. Ou seja, o ganho, na realidade, foi de apenas 0,67% ao ano sobre a SELIC.

Note, portanto, que não importa se a taxa prefixada está acima ou abaixo da SELIC corrente. O que importa é se a SELIC acumulada entre hoje e a data do vencimento ficará maior ou menor do que a taxa prefixada.

– Mas Dr. Money, este raciocínio só vale para quem ficar aplicado até o vencimento. E se eu resolver vender o papel antes?

Bom ponto! Neste caso, você terá lucro ou prejuízo dependendo da taxa praticada no momento da venda do título. Voltemos ao segundo exemplo: no dia 30/07/2009 você comprou um título com vencimento em 02/01/2012, com taxa de 11,01% ao ano. Você pagou R$ 776,92, e vai receber R$ 1.000 no vencimento (veja mais detalhes sobre este cálculo no post Duration: que bicho é esse?). Vejamos o que aconteceu ao longo do tempo que você ficou com o título:

Note que, no início, o título chegou a perder da SELIC acumulada em alguns momentos. Se você vendesse esse título até junho de 2010, estaria praticamente empatando com a SELIC. A recompensa viria somente se você perseverasse com o título depois disso.

Não há uma regra única para saber se vale a pena comprar um título prefixado ou ficar na SELIC mesmo (LFT). Eu abordo o problema dessa escolha no post NTN-F x LFT: o que escolher? Uma coisa, no entanto, é certa: essa escolha é bem mais complexa do que simplesmente comparar a taxa do título prefixado com a SELIC, como muitos investidores ainda fazem.

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

Comentários (06)

  1. Muito bom sua explicação. Não tinha visto nada tão claro como você escreveu. Gostaria somente de perguntar o que você acha da minha diversificação em títulos públicos com aportes mensais: 50% em LFT, 25% em LTN e 25% em IPCA. E ainda por cima estou fazendo rebalanceamentos. Assim, pelo que entendendo eu consigo diversificação e minha rentabilidade será maior a longo prazo.

    Abraços

    Rodrigo Machado, em 10 de janeiro de 2017. Responder
    • Prezado Rodrigo, a sua carteira de investimento deve ser função de seu objetivo de investimento (prazo e taxa requerida para atingir seu objetivo), e sua tolerância ao risco. Sem essas informações, não é possível saber se sua carteira é adequada para você.

      drmoney, em 11 de janeiro de 2017. Responder
  2. Dr, necessito de uma ajuda: com a queda da taxa Selic, qual a influência que a mesma possui com relação a rentabilidade do IMAB? Uma variação no IPCA pode ocasionar diretamente na rentabilidade do IMAB? Grata,

    Patricia, em 19 de abril de 2012. Responder
    • Patrícia, a taxa SELIC tem uma influência indireta na rentabilidade da NTN-B (papel que forma o IMA-B). Influencia de duas maneiras: 1) a condução da política monetária pode fazer a inflação subir ou descer, influenciando a parcela IPCA da NTN-B e 2) uma SELIC mais baixa pode sinalizar uma taxa de juros real mais baixa para a economia (que é o que está acontecendo agora) ou vice-versa, influenciando a parcela prefixada da NTN-B.

      Dr. Money, em 19 de abril de 2012. Responder
  3. Realmente é um erro Dr.,
    Sempre faço a compra projetando o sentido da SELIC.
    Mas tenho ambos os títulos em carteira, pois nunca é possível saber quando nosso governo louco mudará de estratégia.

    Abraço.

    Jônatas R. Silva, em 02 de abril de 2012. Responder
  4. Dr. Money,
    Discussão clássica, sempre bem vinda. Fiz algumas contas e escrevi um artigo sobre o assunto: Qual Título Público escolher: LTN ou LFT?
    Via de regra, as vantagens do pré-fixado para o investidor fazem muito mais sentido em casos específicos (ex.: cada um fazendo sua própria alocação) do que em um condomínio (ex.: fundos).
    Abs

    Ulisses Nehmi, em 01 de abril de 2012. Responder

Escreva um comentário