O que são os Índices de Mercado Andima – IMA

07

Quando você quer saber quanto rendeu a bolsa em determinado período, você verifica a rentabilidade do Ibovespa. Quando você quer saber a rentabilidade do dólar, ou do ouro, ou de qualquer outro ativo, basta verificar a variação dos preços desses ativos. E quanto à renda fixa?

Para a renda fixa, a Andima criou um conjunto de índices que recebe o nome de “Índices IMA”. IMA quer dizer Índice de Mercado Andima. Estes índices funcionam como o Ibovespa: representam os preços dos ativos que formam uma carteira teórica. O critério de formação destes índices é simples: cada carteira teórica contém os títulos de um determinado tipo emitidos pelo Tesouro, e que estão em poder do público. Assim, existem 4 IMAs:

– O IMA-S, que representa as LFTs, ou seja, títulos atrelados à SELIC;

– O IRF-M, que representa as LTNs e NTNs-F, ou seja, títulos prefixados;

– O IMA-B, que representa as NTNs-B, ou seja, títulos atrelados ao IPCA e

– O IMA-C, que representa as NTNs-C, ou seja, títulos atrelados ao IGP-M. (Como o governo não tem mais emitido estes títulos, vamos ignorá-los de agora em diante).

Tanto o IRF-M quanto o IMA-B são divididos em sub-índices. No caso do IRF-M, existe o IRF-M 1, que reúne títulos com até 1 ano para o vencimento, e o IRF-M 1+, com títulos com mais de um 1 ano para o vencimento. Já o IMA-B é subdividido em IMA-B 5 (títulos com até 5 anos para o vencimento) e IMA-B 5+ (títulos com mais de 5 anos para o vencimento).

Neste link, você pode consultar a carteira diária dos IMAs, assim como você faz com o Ibovespa. Veja a seguir as carteiras válidas para este mês (lembre que os pesos significam quanto cada um dos títulos representa da dívida do governo):

Vamos agora ver quanto rendeu cada um desses índices em algumas janelas de tempo:

A rentabilidade das janelas de 12 meses, 2 anos, etc, está calculada de maneira anualizada, de maneira que possam ser comparadas entre si.

Note algumas coisas interessantes:

– O IMA-S, por contar somente com LFTs, tem uma rentabilidade muito próxima à do CDI. Mas isso nem sempre foi assim. Note os anos de 2002 e 2003: a rentabilidade do IMA-S foi bem diferente quando comparada ao CDI. Os mais novos talvez não lembrem, mas no ano da eleição do Lula, o mercado começou a temer pelo pagamento da dívida do governo, razão pela qual as LFTs se desvalorizaram, para voltarem a se valorizar em 2003. Este movimento não foi captado pelo CDI, por ser esta uma taxa overnight, e não um título que vencerá em alguns anos, como é o caso das LFTs. Isso mostra que as LFTs podem até ser os títulos mais seguros disponíveis, mas podem não oferecer segurança absoluta, dependendo do ambiente macroeconômico.

– O IMA-B, que representa as NTNs-B, tem rendido sistematicamente mais do que o IRF-M, que representa os títulos prefixados. Isso acontece porque as NTNs-B são títulos bem mais longos que os prefixados. Quanto mais longo, mais positivo o impacto da queda das taxas de juros no rentabilidade do título. Veja como isso funciona no post Você sabe porque pode perder dinheiro na renda fixa? Então entenda.

– Em qualquer janela de análise, inclusive 10 anos, os títulos prefixados ganham do CDI por uma bela margem. É natural, dado que as taxas de juros vêm recuando nos últimos 10 anos, e os títulos prefixados têm um prazo maior do que o CDI. Mesmo que as taxas de juros permaneçam constantes daqui em diante, os prefixados tendem a render mais no longo prazo do que o CDI, pois pagam um prêmio pelo risco de se estar prefixado. O único cenário em que os prefixados perdem é o de uma inflação ascendente.

– Note que a rentabilidade do IMA-B não tem nada a ver com o IPCA, apesar de representar a rentabilidade de títulos atrelados a este índice. Por exemplo, em 2006 o IPCA foi de apenas 3,1%, enquanto o IMA-B rendeu estonteantes 22,1%. Isso acontece porque as NTNs-B pagam IPCA mais uma taxa de juros prefixada. Neste ano, com a queda da inflação, as taxas de juros despencaram, fazendo com que títulos prefixados tivessem um rendimento muito bom. Ao contrário, em anos com o IPCA em ascensão, a rentabilidade do IMA-B não é das melhores. Por isso, aqueles que buscam proteção contra inflação nas NTNs-B devem ter em conta que esta proteção ocorre no longo prazo; no curto prazo, esses títulos tendem a render menos quando o IPCA está subindo (em casos bem extremos, até menos que o próprio IPCA).

Enfim, os índices IMA são muito úteis para entender como se comportam os títulos disponíveis no Tesouro Direto, independentemente do vencimento dos títulos particulares.

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

Comentários (07)

  1. O leitor anônimo chama a atenção para um fato verdadeiro: alguns títulos não são mais negociados, de forma que é impossível replicar o IMA-B (e o IMA-C também). Assim, eles são meio capengas como benchmarks, na medida em que não é possível fazer uma verdadeira gestão passiva. No entanto, é possível substituir um título que não está sendo mais negociado por outro com vencimento mais ou menos próximo. A diferença de rentabilidade não é tão grande, de modo que o efeito final é quase o mesmo.

    Dr. Money, em 11 de novembro de 2011. Responder
  2. Meu amigo Pina Rizzo é um sujeito muito perspicaz. Ele está se referindo ao post http://www.drmoney.com.br/2010/03/de-torneiras-que-pingam-e-almocos-de_06.html, em que eu sugiro fundos de investimento como uma alternativa ao Tesouro Direto, no sentido de ser mais prático.

    Mas não vou deixar o Hiraclis à pé. Uma forma de medir a rentabilidade dos títulos do Tesouro é esquecer as taxas e olhar o preço, como se fosse uma ação. Você compra cada título a um determinado preço, não é? Acompanhe este preço. Esta é a forma de medir a rentabilidade da sua carteira.

    Dr. Money, em 11 de novembro de 2011. Responder
  3. Leandro, fazendo uma conta bem por cima, neste ritmo, e aplicando em um fundo que dê algo como 5% ao ano real (acima da inflação), aos 65 anos de idade você terá por volta de R$ 3 milhões. Este dinheiro será o suficiente para você retirar algo como R$ 10 mil por mês até os 100 anos de idade, se você conseguir aplicá-lo a 3% ao ano reais. Veja que são muitas premissas, é difícil dar uma resposta única.
    Espero ter ajudado.

    Dr. Money, em 11 de novembro de 2011. Responder
  4. Uma coisa ruim é que o IMA-B tem títulos que não vendem mais. Isso significa que é impossível seguir o índice.

    Anonymous, em 11 de novembro de 2011. Responder
  5. Acho que o Dr. Money vai responder ao post acima lembrando daquela história de trocar a solinha da torneira sozinho…

    Roberto Pina Rizzo, em 11 de novembro de 2011. Responder
  6. Dr. Money, achei excelente este seu artigo sobre os índices e me abriu muito os olhos sobre uma preocupação que venho tendo desde que comecei a comprar títulos do tesouro.
    Tenho muita dificuldade em saber qual é a rentabilidade de minha carteira do Tesouro Direto.
    Eu compro diferentes títulos regularmente (todo mês) e a cada mês as taxas, no momento da compra, variam para mais ou para menos e eu não consigo fazer uma planilha que me permita acompanhar a evolução da rentabilidade. Para ser franco eu não consigo nem compor a rentabilidade de um mesmo título comprado em datas diferentes com diferentes taxas de juros.
    Assim, gostaria de sugerir que você fizesse um artigo mostrando passo-a-passo como criar uma planilha que permita saber qual a rentabilidade de cada título e de uma carteira no mês-a-mês e ao final de um ano. Muito obrigado.

    Hiraclis, em 11 de novembro de 2011. Responder
  7. Dr. Money, faça um diagnóstico: tenho 47 anos e cerca de 380 mil em um fundo de renda fixa com taxa de adminsitração de 0,75% ao ano. Destino hoje cerca de 6.000 por mês para o fundo, meio que religiosamente. Não tenho dívidas nem pago aluguel. Não contribuo para o INSS nem tenho um plano de previdência. Trabalho como autônomo. Se eu seguir nesta estratégia de ir colocando dinheiro neste fundo, nas condições citadas, e ir trabalhando até onde dá, o que o senhor acha de meu futuro financeiro? Alguma recomendação, considerando-se minha idade? Grato.

    Leandro Vini, em 09 de novembro de 2011. Responder

Escreva um comentário